quinta-feira, 25 de março de 2010

Ela tem um medo assombroso de mim, do quanto posso feri-la. Eu tenho um medo danado dela, porque é bem capaz de viver sem mim. A linda cretina nunca disse que não vive sem mim, acredita? Nunca, nem dormindo…


O amor dela é tranquilo, imutável, o meu é para agora, renovável. Ai se ela não demonstra apego numa tarde, mergulho em surto. Ela não depende de jura e declarações, está bem assim, cercada de um silêncio atento, sabendo que a amo. Quando preciso dela, ela supõe que é drama e mais uma artimanha para ser o centro dos acontecimentos. Quando ela precisa de mim, eu deduzo que ela procura se afastar e perdeu o interesse. Já brigamos no carro, no elevador, no shopping, acordamos vizinhos, assustamos os donos e seus cães na rua e insistimos e nos perdoamos porque somos tão apaixonados.

(...) Muito mais do que poderia conservar numa vida. Muito mais do que possuo condições de antecipar pela minha ansiedade.

A esperança pode vencer a experiência. A esperança é uma experiência.

Fabrício Carpinejar

...



Eu já nem sei ao certo quanto tempo faz. Mas há coisas que são atemporais. Teu abraço que me prende toda, teu riso ao meu lado em frente à TV, nossa música tocando no rádio, a madrugada em que não te deixei beber, o jeito que te cuidei esses anos todos, mesmo quando estávamos longe. Eu sei, sei que você pensa que tudo dentro de mim mudou, e que depois daqueles beijos só restou amizade. Não restou nada. O que acontece é que teus beijos e carinhos brotaram um amor incondicional em mim, como achei que jamais conseguiria sentir, quando achei que não sentia mais nada por ti. Sei também que alguns sentimentos são feitos não para serem vividos, mas apenas sentidos, calados, quietos. Te amo mesmo no silêncio. Te amo ao esticar a segunda letra de teu nome, quando te escrevo, te amo esquecendo você cada dia um pouquinho, e isso há anos. Namorei alguém tentando te esquecer, esqueci quem eu era com a distância entre nós dois. Te amei sem saber, e me pergunto se isso é possível. Amar e não morrer de saudade. Amar e não morrer de vontade. Amar e seguir vivendo como se não fosse nada. Como se não fosse para hoje a necessidade que tenho do teu braço, do teu riso, do teu amor. Como se a vida não pudesse acabar amanhã. Como se o amor também não pudesse morrer.

Sempre a Lua... que mesmo não querendo falar, sempre fala por mim

11 comentários:

Luana Gabriela disse...

Fê, s evocê soubesse que cada vez que leio este texto.me dá vpontade de chorar porque é bem assim como o Carpinejar escreve que me sinto..tenho um medo do quanto alguém pode me ferir, nunca digo que não posso viver sem e quando preciso de alguém eu sumo.. impressionante isso tudo também ser de outro alguém..

Bjos

Larissa disse...

"Amar e não morrer de saudade. Amar e não morrer de vontade."

Garota, seu texto foi emocionante. Lindo. E se ele sabe, se ele souber bem no fundo do coração dele (que é onde está o seu), certamente sentirá essas palavras como se cada uma delas pudesse esticar os dedos e tocá-lo. E isso, as palavras o sentir e o amor, isso tudo é mágico.

Beijo!

Camila disse...

e esse amor que precisa de tudo,mesmo sendo o TUDO.
(A esperança pode vencer a experiência. A esperança é uma experiência.)muito bom akie

Gusta Fernandes disse...

não preciso dizer que estou emocionado, principalmente por que amo, e é tão incondicional que quero esquecer por medo.

Mas quando lembro dos momentos juntos, sorrisos, do cuidar... eu esqueço dos meus medos... e volto a realidade: EU AMO!

Pra dizer a verdade, cada hora estou mais perdido, e vezes fico feliz por isso, e outras assustado.

Beijos!

Jose Sousa disse...

Gostei do do seu blog, vou continuar a ser seu seguidor. Consulte os meus, divulgue e deixe o seu comentário. www.congulolundo.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com
Um gr. abraço.

sarah disse...

Que blog lindo, usas da palavra como algo que nos toca ao coração.
Parabéns flor!


"o escondido"
http://encabuladas.blogspot.com

Riff disse...

Amei o seu canto... E mais ainda do texto que acabei de ler. Contundente e sensivel ao mesmo tempo. E qto a este nosso dilema chamado AMOR, ele nasce e morre, morre e nasce não necessariamente na mesma ordem. Agora, a condição sine qua non é que para RENASCER, precisamos sempre SUBSTITUIR por outro, por alguém... este é o grande dilema... Amei, virei seguidora. voltarei mais vezes. Bjitos no seu coração.

Gabih Dias disse...

Foi lindo o texto da Lua.
Cem por cento de verdades, que falam por mim e por qualquer uma de nós, mulheres :)
Acho que volto mais por aqui.
Beijos :*

Daniela Filipini disse...

Adorei, realmente adorei!

Tâmara disse...

Começar o dia com o Capinejar talvez seja a forma mais doce de se começar.Amar é lindo, muito embora, venha sempre acompanhado com um pouco de dor.

gostei de tudo aqui!

Bjus

jefhcardoso disse...

Você marcou o caminho com essa postagem. É impossivel deixar de fazer uma reflexão.
Aproveito a sorte de estar aqui em seu blog e lhe convido para opinar em meu trabalho que já dura quase três meses (O Diário de Bronson).

Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com